Nova Agenda da Governança para Startups

Tempo de leitura: 2 minutos

Nova Agenda da Governança para Startups
Nova Agenda da Governança para Startups

Líderes de startups e empresas de todos os tipos e tamanhos estão cada vez mais cientes de que a boa governança corporativa cria e preserva valor não só para a empresa, mas para todos aqueles que, direta ou indiretamente, com ela interagem, na qualidade de partes interessadas – “stakeholders”.

Instituições e Associações que fomentam a boa governança, também se aproximam cada vez mais do cenário das startups, com a consciência de que algumas práticas comuns em empresas tradicionais não se adaptam à realidade das empresas nascentes ou com operação recente.

Exemplo recente nota-se na Agenda Positiva de Governança do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), que é o principal agente de mercado na proliferação de boas práticas de governança.

A agenda sugere 15 medidas a serem tomadas pelos líderes, apoiadas em 6 pilares, quais sejam: (1) ética e integridade; (2) diversidade e inclusão; (3) ambiental e social; (4) inovação e transformação; (5) transparência e prestação de contas; e (6) conselhos do futuro.

Todos os temas são de extrema importância para qualquer tipo e tamanho de organização, porém, neste artigo, destacamos dois pilares mais ligados à inovação:

 

Inovação e Transformação:

A inovação deve ser a base de uma visão de futuro que objetiva o desenvolvimento sustentado da organização. Os líderes devem tomar decisões coerentes com o propósito e a estratégia do negócio, gerenciar os riscos do processo e ter disciplina para colher os resultados das ações no tempo certo e gerar valor para todas as partes interessadas.

 

Conselhos do Futuro para Startups:

Para que atuem como agentes de transformação e catalisadores da adaptabilidade e da agilidade das organizações, os conselhos devem ser compostos com maior foco em diversidade e competências socioemocionais. Disposição para questionar, ouvir ativamente, respeitar outras visões, ousar, desaprender e reaprender são condições essenciais para explorar novas formas de gerar valor e viabilizar as transformações necessárias.”

(Fonte: IBGC)

O norte desta nova agenda de Governança Corporativa no Brasil, certamente orientará:

  1. Um maior estímulo do mercado para consumo de produtos e serviços sustentáveis, por meio de investimento em inovação, pesquisa e desenvolvimento.
  2. Mais abertura a novos modelos de decisão baseados na experimentação, adotando instrumentos que permitam maior tomada de riscos na inovação.
  3. Fortalecimento do esforço de inovação por meio de parcerias com centros de estudos e academia e do fomento ao empreendedorismo e ao ecossistema de startups.

 

Os pilares desta nova agenda de Governança no Brasil são aplicáveis a líderes de todos os tipos e portes de organização, sendo que as medidas de integração destes pilares podem ser adotadas com as adaptações necessárias a cada contexto específico, a exemplo do contexto das startups.

Como resultado, a boa Governança nas startups apoiará as empresas para que se desenvolvam em um novo contexto de negócios mais íntegro, transparente, sustentável, diverso e inovador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *